26/01/2019

हैप्पी गणतंत्र दिवस

FELIZ DIA DA REPÚBLICA DA ÍNDIA!



Namaste!

15/08/2016

DIA DA INDEPENDÊNCIA

स्वतंत्रता दिवस



É feriado nacional comemorado na Índia em 15 de Agosto, que relembra quando o país se tornou independente (dos Britânicos) em 1947. São 70 anos de Independência.

24/07/2016

Danças Clássicas Indianas: Kathak - कथक

O QUE É

É uma das formas de Dança Clássica Indiana, oriunda do Norte da Índia. É a junção de teatro, música instrumental, vocal e o uso de gestos e movimentos estilizados para representar a história contada.

A palavra kathak vem do sânscrito Katha que quer dizer história e katthaka que quer dizer aquele que conta histórias.


ORIGEM

Origina-se no Norte da Índia, com os bardos nômades, kathaks ou contadores de histórias que atuavam (contavam as histórias mitológicas e das escrituras sagradas indianas) nas praças e pátios de templos.

Como já disse, a palavra Kathak (contador de história) deriva de ‘katha’ que significa história, logo sua origem deriva da tradição de contar histórias.


HISTORIA

O Kathak, surgiu através dos nômades/peregrinos antigos que interpretavam os contos mitológicos de épicos indianos, nos pátios dos templos. Estes nômades eram conhecidos por kathakars ou bardos, e costumavam recitar os contos sob o acompanhamento de música, mímica e dança. Eles iam de aldeia em aldeia contando as histórias, e sobreviviam da ajuda dos governantes locais das aldeias em que iam. 

O Kathak nessa época era como uma expressão de devoção dedicada aos deuses hindus. E depois isso mudou.

Com a "invasão" árabe, a chegada da era mughal, os nababos muçulmanos, a influência do persa, governantes medievais, o Kathak sofreu grandes modificações. Ele foi movido dos templos para as cortes desses novos e grandes poderosos governantes.  Esses tinham grande preocupação com entretenimento, então o Kathak se desenvolveu para uma nova arte, assumiu-se como uma forma de entretenimento que era privativa das cortes e palácios. Sob o patrocínio dos governantes, uma classe de dançarinas e cortesãs, surgiram para entreter os palácios e tribunais.

Durante a era medieval o Kathak se tornou parte integrante da cultura da corte, absorvendo as influências islâmicas, emergindo como arte clássica, após o Império Britânico na Índia. Tudo isso estabeleceu de vez o Kathak como uma forma de arte clássica do que entretenimento colonial.

Com isto, na época, surgiram duas gharanas (escolas) principais, nascidas nas cortes reais: a gharana de Lucknow (influenciada pela cultura Awadh) e a gharana de Jaipur (influenciada pelo culto a Krishna).

A sua forma originária era muito semelhante à forma de dança Bharatnatyam. Hoje, sua forma atual contem os vestígios históricos iniciais, das danças e rituais de templos com a influência do movimento Bhakti, com a absorção de características da dança persa, da Ásia Central, que foram trazidos pela corte mughal no passado.


MUSICA

A música usada nas performances do kathak é a música hindustani. 


DANÇA

A dança exige dos dançarinos expressões bem delicadas, existe uma quantidade de movimentos sutis das sobrancelhas, por exemplo. A emoção é transmitida através das expressões dos olhos e do rosto. E não podendo esquecer das batidas "fortes" com o pé no chão. O nível alto do Kathak é quando o dançarino consegue, fazer um solo tradicional.

Os dançarinos geralmente se comunicam com o seu público/platéia, e estes devem estar bem atentos para pegar todos os detalhes dos movimentos e conseguir ver o que o dançarino quer mostrar.

Pode ser dançada por homens e mulheres.

Elementos do Kathak:

Tayari - O virtuosismo da técnica e das competências adquiridas através da formação e prática sistemática.
Layakari - A compreensão profunda e versatilidade de ritmo e tempo.
Khubsurti & Nazakat - A estética da forma de arte e a sutileza refinada de expressão e de evocar a emoção.
Nritta - Exercícios de movimento, básico bátida do pé, transformação dos chakras, padrões rítmicos, recitação da dança, versos.
Nritya - Gestos interpretativo, expressão e canto de canções tradicionais e poemas.
Natya - A arte de contar histórias, os nove sentimentos (nava rasa), e trabalhando com energias.

INSTRUMENTOS

Os mais comuns são o sitar acompanhado de um par de tablas, mas também podem aparecer o sarod, o pakhawaj, o sarangi, a tambura e o harmônio, o bansuri, o dilruba, o esraj, o ghungharu, o santur, o surmandal.


GRANDES NOMES

Uma Sharma: dançarina, coreógrafa e professora de Kathak. Foi a bailarina mais jovem a ser receber o Padma Shri, concedido pelo Governo da Índia. Já se apresentou em países como Nova Zelândia, Austrália, EUA, Canadá, Japão e China. Foi estudante de Pandit Sunder Prasad, da gharana de Jaipur. Dirige a sua própria Escola de Música e Dança na capital da Índia.

Pandit Birju Maharaj: é principal dançarino da gharana de Lucknow. Sua familia é lendária em dançarinos de Kathak. Aos 13 já dava algumas aulas de Kathak, antes de abrir sua própria escola. Além de dançar ele também ja compôs, coreografou e ate cantou. A musica Kaahe Chhed Mohe de Devdas (2002) foi ele quem coreografou, também coreografou Umrao Jaan e Bajirao Mastani.

BOLLYWOOD

Assim como outras danças, o Kathak também já foi representado nos longas de bolly, os mais conhecidos são: Dil To Pagal Hai (uma sequencia onde SRK toca tambores, bateria e Madhuri dança o Kathak), Aaja Nachle (O Re Piya), Dedh Ishqiya (Jagaave Saari Raina), Jeet (Saanson Ki Mala).

Observação: Não se deve confundir Kathak com Mujra. Vi pesquisando que mutos colocavam o Kathak e Mujra como a mesma coisa, por serem as vezes parecidos pelas cenas dos filmes (na dança ou pela roupa), em um video que vi estava escrito "Bollywood Mujra (Kathak)", não tá certo pois são formas diferentes.



(IMAGENS RETIRADAS DA INTERNET)

Espero que tenham gostado!

Namaste!

10/07/2016

Danças Clássicas Indianas: Kuchipudi - कुचिपुड़ी

O QUE É:

O Kuchipudi, é uma das principais formas de dança clássica da Índia. Apresenta uma união de diversos elementos, como yoga e teatro. É bastante tradicional no estado do sudeste indiano de Andhra Pradesh (onde começou). É conhecido por seus movimentos graciosos e sua forte narrativa personagens e drama.

ORIGEM:

O Kuchipudi surgiu na aldeia Kuchelapuram, perto de Vijaywada, no estado de Andra Pradesh (na vila Kuchipudi, distrito de Krishna), no sul da Índia.

O nome Kuchipudi, deriva da aldeia de Kuchelapuram.


HISTÓRIA:

Sua história começa nos teatros e templos, e foi crescendo como uma forma dramática de dança durante centenas de anos. Por algum tempo, Kuchipudi só foi executado por dançarinos nos templos e também em certos festivais auspiciosos religiosos e outros.

Foi tida em alta estima pelas regras do Deccan, por exemplo, Tana Shah em 1678 concedeu as terras ao redor de Kuchipudi, aos brâmanes que soubessem executar a dança. Ou seja, sempre foi muito valorizada.

Ela cresceu a partir o século VII d. C., mas só se consolidou no século XVII, pelo advento do movimento Bhakti, sob o comando de Siddhendra Yogi (já outros dizem que foi no século 14 que já se consolidou), dando uma nova direção ao estilo. Inicialmente, era executado somente por dançarinos homens em apresentações coletivas de caráter teatral. Apenas no séc. XX passou a ser praticado por mulheres e aproximou-se mais do universo das danças indianas, onde alcançou seu auge.

Nos tempos modernos (hoje), o Kuchipudi está muito diferente do que quando surgiu/era.


A DANÇA:

Como nas outras danças que tem suas marcações e poses, o Kuchipudi é marcado por poses esculturais, giros, pulos e pela agilidade, graciosos movimentos do corpo e gestos com as mãos. É uma forma de dança que requer muito equilíbrio, graça e potência, rapidez e sensualidade, e também uma selvageria (tudo vai depender do que esta sendo contado e o que o dançarino quer passar).

Essas marcações todas se devem aos temas que são originados das escrituras e mitologia Hindu.

Uma execução de resistência do Kuchipudi é o Taragam, executado sobre um prato de cobre e com um pote de água na cabeça. Este número tem um significado espiritual para os praticantes: “Assim como o dançarino move-se no palco indiferente às dificuldades, do mesmo modo nós devemos nos mover em nossas vidas indiferentes aos problemas e preocupações".

Kuchipudi, emprega o Lasya, Thandava e Abinaya com o propósito de interpretação do Slokas. Também inclui Samyutha, Asamyutha Hasthas, Karana, Chari, Angahara, Mandala, Nrutha Hasthas etc. É a única forma de dança que faz o uso de quatro Abhinayas (Angika, Vachika, Aaharya e Satvica) juntos (que nem o Bharatanatyam com os mudras...).

Difere do BHARATANATYAM, por seus movimentos graciosos e sua forte narrativa com o personagem dramático, é uma dança cintilante realizada com graça e movimentos fluidos.

O dançado hoje em dia adquiriu sua forma no século 20.

 
DANÇARINOS:

O intérprete é treinado não só para dançar, mas também para transmitir o diálogo intenso com expressões faciais e com o canto, onde a história é contada.

Inicialmente, como já disse, os dançarinos eram homens depois passou a ser praticado por mulheres. Então os papeis femininos, antes da entrada das mulheres, eram feitos pelos dançarinos/homens mais bonitos, novos, e que tivessem traços delicados.

Para dominar esta dança e apresentá-la em níveis altos, onde o dançarino vai conseguir transmitir facilmente o Bhava (emoções), um dançarino que já tenha alguma base, não levaria menos de 10 anos. O bailarino não só dança a música de fundo tradicional, mas também age com gestos, bem como palavras.

Para começar a aprendê-lo não tem idade, a base se aprende de 4 a 5 meses, dependendo da velocidade do aprendizado do aluno e em 6 anos totais está “completo”.



ROUPAS:

Um de seus requisitos é o traje, joias e maquiagem em harmonia para projetar a graça e fluidez no palco.

Na maquiagem pode haver: altha (pintura das mãos e pés), sindoor, kumkum, bindi, lápis de olho preto, sombra, pó facial com as cores sendo mais claras do que a cor da pele do personagem/dançarino.

As joias exóticas tem estilos que coincidem com o traje ao adicionar brilho .

A roupa em si geralmente é quase toda branca com bordas de ouro com duas linhas padrões com trabalho em zari criado de diversas cores. E ainda tem uma longa prega no centro (na parte de baixo – saia/calça) com uma borda e um katcham em volta.


INSTRUMENTOS:

Kanjira

Manjira

Mridangam

SaraswatiVina (South Indian Vina)

Surpeti

Tanpura

Venu

Violin



GRANDES NOMES:

No pioneirismo do Kuchipudi está Siddhendra Yogi. Pela modernização do Kuchupudi, foram responsáveis os dançarinos populares Vedantam Lakshmi Narayana Sastry, Chinta Krishnamurthy, Tadepalli Perayya, Vempati Chinna Satyam, CR Acharyalu, e Dr. Nataraja Ramakrishna que ajudaram a expandir a dança. Com a sua “reforma”, que inclui mulheres nessa dança também, se reconhece nomes como Raja & Radha Reddy, Bhavana Reddy, Yamini Reddy e Kaushalya Reddy.


VÍDEO:

VEJA AQUI UMA APRESENTAÇÃO DE KUCHIPUDI: https://www.youtube.com/watch?v=D1bcjenN6Uc

22/05/2016

Danças Clássicas Indianas: Bharatanatyam

Namaste!
Hoje começa a série de posts sobre as danças clássicas indianas. Aquelas mais antigas por onde a Índia é bem conhecida.
O primeiro pra estrear é o Bharatanatyam, a mais famosa de todas!
Vamos saber mais sobre essa dança que vem lá do tempo da monarquia indiana.

É uma das várias formas/estilo de dança clássica indiana (as outras principais são Kuchipudi, Kathak, Kathakali, Manipur e Odissi), praticamente a principal. É mais popular nos estados do sul indiano de Tamil Nadu e Karnataka.

A palavra Bharatanatyam como nome desse estilo de dança, é recente vem do século XX pra cá. Os originais nomes do Bharatanatyam foram Sadir, Dasi Attam e Chinnamelan. A palavra em si tem 4 significados que chega a um só: "Bha vam", que significa expressão, "gam ra", que significa música, "ta lam", que significa ritmo e "natyam" significando de dança. A também possível origem do nome vem de Bharata Muni (à quem Brahma revelou esta dança – vocês vão entender mais pra frente o porque).

Ela surgiu/tem origem, no Sul da Índia, no estado de Tamil Nadu, mais precisamente em seus templos, através dos dançarinos dos templos chamados Devadasis (Devadasis também pode ser o estilo que eles dançavam que futuramente entrou em desuso). Enfim era a arte dos dançarinos dos templos.
Mas também se acredita que a dança do Bharatanatyam foi revelado pelo Senhor Brahma à um sábio famoso, Bharata Muni, que retratou a dança no texto sânscrito Natya Shastra (tenho pra mim, que no caso essa foi a revelação de uma nova forma de executar a dança).

Com o passar dos tempos a dança/execução do Bharatanatyam foi tendo vários “estilos”. O inicial como já falei era o dançado nos templo pelos Devadasis, que também foi “adaptado”, para se dançar nos salões dos grandes monarcas (Marajás). Ao longo do tempo a dança evoluiu por meio de Poniah Pillai de Tanjore e seus irmãos, chegando no que está hoje.
A dança do Bharatanatyam é caracterizada por envolver linhas geometricamente perfeitas, por voltas e saltos e batidas dos pés que marcam os ritmos complexos. Também é uma dança conhecida por sua benevolência, elegância, pureza, sensibilidade, expressão e poses de esculturas.
Um "programa" de Bharatanatyam geralmente dura duas horas sem interrupção e inclui uma lista específica de procedimentos (que vou explicar pra frente), realizados pelo dançarino, que não deixa o palco ou muda sua roupa. Por sua longa e detalhada execução, o aprendiz de Bharatanatyam leva geralmente muitos anos de aprendizado antes de fazer sua estreia (arangetram).
Geralmente as performances são solos, e por envolver muitos personagens, a dançarina os assume/representa alternando os papéis através da volta rápida no círculo e cria uma história que pode ser facilmente seguida. Se compreende os personagens representados, através da narrativa das musicas e das expressões, onde entra o Abhinaya.
O Abhinaya é as expressões do rosto e dos olhos, acompanhados pelos mudras e yantras. É ele que ajuda na interpretação e narração da história contada através da dança. Existem 4 tipos de abhinaya na dança: Anghika - movimentos físicos ou corporais, Vachika - a música sendo tocada, a poesia, Aaharya - ornamentação do personagem, por exemplo joias, traje, Satvika - movimentos involuntários, por exemplo tremendo, quebra de voz, as lágrimas. (ou seja esses dançarinos são verdadeiros atores na nata da interpretação mesmo).
Para uma ótima execução, o Bharatanatyam tem três elementos/divisões distintos: Nirutham, Niruthiyam e Natyam. Nirutham é a dança pura, sem emoções, expressões ou sahityam, é os movimentos rítmicos da dança (Nritta).
Niruthiyam, tem o sahityam, emoções, expressões e demonstra um significado. Envolve todos os tipos de Abhinaya. Pode ser visto como um tipo de narração de histórias, usando gestos e emoções (Nritya – combinação de Nritya e Natya).
Natyam, é quando um Nirutham e Niruthiyam são combinadas com música de fundo. O bailarino vai contar uma história através da dança e da música (Natya).
Como já disse a execução/desempenho do Bharatanatyam, tem uma série de exigências. Para uma apresentação completa são necessários (aqui estão alguns):  Alaripu - uma espécie de invocação aos deuses para abençoar o desempenho, feita pelo dançarino; Kavuthuvam – (é uma exigência antiga) realizado no início do recital, contendo sílabas rítmicas cantadas por jathis; Ganapati Vandana – tradicional oração de abertura, à Ganesh, para remover obstáculos; Todayamangalam - dança pra dar partida, que mostrar respeito para com o deus. Um belo exemplo de uma todayamangalam é "Jayajankaki Ramana"; Jatiswaram ou Jathiswaram -  dança abstrata onde os tambores definem a batida. Aqui o dançarino mostra sua versatilidade na batida do pé, com movimentos graciosos e elaborados do corpo. Traz três aspectos da dança: a unidade de música, ritmo e movimentos; Shabdam – descreve a história ou poema através dos movimentos graciosos;  Varnam – a parte central. Seção da dança pontuada com os movimentos mais complexos e difíceis. Posição das mãos e corpo contam uma história, normalmente de amor e o desejo do amante; Padam - parte lírica onde o dançarino fala de algum aspecto do amor: a devoção ao Ser Supremo; ou do amor de mãe para filho...; Stuti - hino em louvor de uma divindade; Koothu – parte que executa grande quantidade de elementos dramáticos; Javali – é tipo abhinaya. O tema subjacente de Javalis é Sringara Rasa que descreve a bhava Nayaka-Nayaki; Tillana - seção final. Dança pura (nirutham) refletido na batida dos pés, complexo, e com poses cativantes do dançarino.

Entre outros itens, toda apresentação, termina com a recitação de alguns versos religiosos como uma forma de bênção.
 
Também são exigências ao dançarino de Bharatanatyam, ter os “10 fundamentos do dançarino”: Javaha (agilidade), Sthirathvam (estabilidade), Rekha (linhas graciosas), Bhramari ( equilíbrio nas piruetas), Drishti (vista), Shramaha (trabalho duro), Medha (inteligência), Shraddha (devoção), Vacho (bom discurso), e Geetam (canto).

Também para todo bom desempenho, entram as roupas, joias, musica, conjunto, idioma.
Jóias - dançarinos usam tornozeleiras feitos de corda ou couro com linhas de cobre (tradicionalmente tem sino/guizos na tornozeleira); Traje - o traje original não cobrem a maioria dos corpos dos bailarinos. Existem diversas variedades de trajes Bharatanatyam, que não restringem os movimentos dos bailarinos; Música - a música que acompanha é o carnatic estilo do sul da Índia; Conjunto - mridangam (tambor), nagaswaram (chifre longo cachimbo feito de uma madeira preta), a flauta, violino e veena (instrumento de corda, tradicionalmente associada a Saraswati, a deusa hindu das artes e da aprendizagem); Idioma - são tradicionalmente usados o Tamil, Telugu, Kannada e Sânscrito.
Muitas das antigas esculturas dos templos hindus, são baseadas em  posturas de Bharatanatyam. Na verdade, são os bailarinos celestes, apsaras, que são retratados em muitas escrituras que dançam, é a versão celestial do que é conhecido na terra como Bharatanatyam. Então, logo, o Bharatanatyam é a manifestação da antiga ideia da celebração do universo eterno, através da celebração da beleza do corpo material. Na mitologia hindu todo o universo é a dança do dançarino Supremo, Nataraja (Lord Shiva).
 
 

Shiva em sua forma de Nataraja é considerado o Deus desta dança.
 Grandes nomes: 
 

Rukmini Devi: vai pra ela os créditos de revitalizar e popularizar o Bharatanatyam na sua forma atual. Dando nova vida e respeitabilidade.
Ela corrigiu a teoria da dança e da música; Trajes foram concebidos artisticamente; Escolheu joias requintadas e ornamentos; Colocou ênfase na seleção de padams e destacou o aspecto espiritual do conteúdo.
Ela também estabeleceu o Kalakshetra na formação de alunos na arte do Bharatanatyam. Kalakshetra colocou ênfase para movimentos corretos e um treinamento completo.



Padma Subramanyam: dançarina impecável, coreógrafa, compositora, cantora, professora e autora. Dra. Ela é um dos dançarinos mais respeitados e de renome no Bharatanatyam da Índia.
Atualmente é diretora da "Nrutyodaya", uma escola de dança que foi fundada por seu pai no ano de 1942.




Alarmel Valli: é a principal defensora da tradição Pandanallur no Bharatanatyam.
Se tornou a bailarina mais jovem a receber o Padma Shri. Ela já se apresentou em quase todos os grandes festivais na Índia e também já mostrou seu talento na maioria das capitais culturais do mundo.






Mrinalini Sarabhai: começou sob os olhos de Muthukumaran Pillai. Seus outros gurus foram Meenakshi Sundaram Pillai, Ellapa Pillai e Chokalingam Pillai.
Coreografou alguns dramas de dança de sucesso. Começou um instituto de formação Bharatanatyam chamado "Darpana" em 1948.




 
Mallika Sarabhai: uma dançarina aclamada, e também uma cineasta talentosa, ativista social, e ex-aluna de IIM Ahmedabad, também destaca-se como atriz, escritora e editora. É mestre em Bharatnatyam e Kuchipudi.
Ela recebeu o "Palme d'Or '', a mais alta condecoração civil da França.
É filha da também grande dançarina Mrinalini.





Bala Saraswati: a rainha do Bharatnatyam. 
Considerada como um dos melhores dançarinos de Bharatanatyam no país. Começou nesta arte aos 7 anos de idade.
Também foi uma cantora aclamada e alcançou grande fama e sucesso de nível global também com sua performance no Festival de Edimburgo.




Bharatanatyam, já foi retratado em algumas cenas, musicas... de longas de bolly. Confere:
Sringaram (Tamil, 2006); Sagara Sangamam (Telegu, 1983); Thooval Kottaram (Malayalam, 1996); Padikkadha Medhai (Tamil, 1960); Chandramukhi (Tamil, 2005); Bhool Bhulaiyaa (Hindi, 2007); Manichitrathazhu (Malayalam, 1993); Kadhalan (Tamil, 1994); Sri Raghavendrar (Tamil, 1985).
Com uma certa popularização da dança, hoje há institutos acadêmicos de dança comercializados em muitos países, em prol de aprender o Bharatanatyam.

Por fim, o Bharatnatyam é considerado a Mãe da das outras danças clássicas indianas e inspira outras formas de arte, como esculturas, pinturas, por exemplo.

Deixo pra vocês aqui, um vídeo de um espetáculo/performance de Bharatanatyam feito pelas alunas e alunos da Kalarpana - Institute of Bharatanatyam, fundado pela atriz e dançarina Shobana (que também participa do espetáculo). O nome do musical é Maya Ravana - In The Spirit Of The Ramayan.
LINK: https://www.youtube.com/watch?v=NJdaesRq1fA

(IMAGENS RETIRADAS DA INTERNET)

Espero que tenham gostado!

Namaste!

31/01/2016

Prêmio Padma Shri

Namaste!! 

Sempre pesquisando via que muitos são premiados com o tal Padma Shri., mas não sabia o que era. Então resolver esclarecer. E aqui está pra você que também tem curiosidade sobre.

E ainda de leva descobri outros prêmios que depois eu coloco aqui, mas hoje o foco é o Padma Shri.

Ele faz parte do Sistema de Honras Indianos, que são classificados em prêmios de Liderança, de Literatura, de Patriotismo, Particular e Civil. Ficando o Padma Shri nos prêmios civis.
Dentro desses prêmios civis há os Prêmios Padma que se divide em três categorias, uma delas o Padma Shri que é concedido pelo atendimento diferenciado daquele cidadão à determinada área/categoria (artes, educação, indústria, literatura, ciência, esporte, medicina, serviço social e radiodifusão).
Então, o prêmio Padma Shri, é a quarta maior Condecoração Civil da Índia, concedida pelo Governo Indiano, a cidadãos indianos por reconhecimento de suas contribuições de destaque em artes, educação, indústria, literatura...

O anúncio de quem irá ganhar o Padma Shri daquele ano ocorre sempre no Dia da República da Índia (25 de Janeiro).

Este prêmio começou e foi instituído no ano de 1954, para somente indianos serem reconhecidos por seu trabalho, no entanto, não só indianos já foram premiados com o Padma Shri, mas também algumas personalidades que não eram cidadãos indianos, mas que contribuíram de várias formas para com a Índia.


A palavra Padma significa lotus e Shri seria um derivado de Sr. Sra. Na medalha há a palavra Padma Shri escrita em Devanagari e abaixo tem o desenho de um lótus. O padrão geométrico em ambos os lados é em polido bronze. E contém ouro branco.

É tudo muito bonito e tal, mas há algumas ligeiras críticas ao prêmio. Que se refere por exemplo ao fato de ser concedido a muitos famosos, grandes empresários, jogadores, pessoas influentes... enquanto que anônimos não são premiados.  E também por conceder à estrangeiros.

Dentre os ganhadores estão Rekha, Saif Ali Khan, Tabassum Hashmi Khan (Tabu), Kajol, Irrfan Khan, Vidya Balan, Ajay Devgn, Hema Malini, Aamir Khan, Amitabh Bachchan, Shah Rukh Khan, Hermann Kulke, Sheldon Pollock...

(IMAGENS RETIRADAS DA INTERNET)
Espero que tenham gostado!

Namaskar!!

24/01/2016

Críquete

Namaste!

Assim como conhece o Brasil como o país do Futebol, a Índia pode ser conhecida como o país do Críquete. Em ambos, tais esportes não foram criados nestes lugares, mas com o passar do tempo adquiriram fama por desenvolvê-lo. Então hoje o blog vai falar do Críquete, esse esporte muito querido pelos indianos.

HISTÓRIA
 Pode se dizer que o críquete veio do Sul da Inglaterra, mas é meio incerto. Pesquisas dizem que o críquete nasceu na Idade Média pelas crianças de algumas comunidades no Sudeste da Inglaterra e muito tempo depois já jogavam nas escolas e se expandiu para o Sul do país, onde fez sucesso.

Ele foi inspirado num jogo de origem medieval, chamado stoolball. Com sua expansão, citada acima, o jogo chegou na nobreza no século XVII. Com seu crescimento, ao passar dos tempo foi sofrendo modificações até se tornar um o que é hoje e que faz bastante sucesso no Reino Unido, na Índia e no Paquistão.


Na Índia ele chegou com a colonização dos Britânicos, então todos os países que tiveram a presença dessa nação acabaram por adotar o jogo. E como naquele tempo tudo era política, os primeiros indianos que começaram jogando eram a elite indiana. E consequentemente cresceu e praticamente todos podiam joga-lo.


Nos dias de hoje o jogo dos ingleses de verão na Índia se tornou uma industria. Com o aumento dos meios de mídia e o fácil acesso à estes, aumentou a popularidade do jogo.


JOGO
Para se jogar, utiliza bola (que é semelhante a bola do tênis) e tacos (feitos de madeira, exceto a alça, chega a pesar de 1 à 1,4 kg). O numero de jogadores é o mesmo numero do futebol, 11 de cada lado. O campo não tem dimensões especificas fixa, simplesmente tem que ser amplo bem amplo maior ou igual a um campo de futebol, não menor. 

É um jogo longo, porque duas partidas (innings), podem chegar até 6 dias dependendo do jogo (se é de decisão, eliminatória...). 

Vence o jogo quem mais defende suas estacas; os dois principais objetivos do jogo é eliminar 10 wickets do adversário e conseguir o maior numero de corridas.


O SITE MUNDO ESTRANHO PUBLICOU UMA MATÉRIA, EXPLICANDO DETALHADO COMO SE JOGA O CRÍQUETE, ENTÃO PRA NÃO FICAR REPETITIVO, AQUI ESTÁ O LINK PRA VOCÊS VEREM A PUBLICAÇÃO:
http://mundoestranho.abril.com.br/materia/como-se-joga-criquete

O QUE É
Basicamente o críquete é um jogo de tacos e bola muito parecido com o beisebol, muito popular nos países de colonização britânica. 

No Brasil esse jogo pode ser associado ao TACO aquele jogo de rua. 

PRINCIPAIS JOGADORES DE CRÍQUETE DA ÍNDIA
Assim como temos preferidos no futebol, eles tem os seus preferido no críquete. Os mais conhecidos são:
T. E. Srinivasan (Tirumalai Echambadi Srinivasan), ele faleceu em 2010, e foi um grande batedor (destro) dos anos 70 e 80, fez fama quando jogou na equipe South Zone.


Sachin Tendulkar é um dos melhores batedores por ter batido altos recordes, é tido como um dos batedores mais ricos do mundo do críquete. 

Rahul Dravid,ex-jogador também considerado um dos maiores batedores na história do críquete. Foi nomeado um dos cinco melhores jogadores de críquete em 2000 e foi premiado em 2014 com o Jogador do Ano e Jogador do Teste do Ano. Também foi honrado com os altos prêmios civis Padma Shri e o Padma Bhushan. 


MS Dhoni  (Mahendra Singh Dhoni), é o jogador e  capitão mais famoso e bem sucedido da equipe nacional e da equipe Chennai Super Kings.  Quando era capitão, a equipe nacional ganhou o ICC World Twenty20 (campeonato internacional – quase uma copa do mundo de críquete) em 2007. Em 2011 a revista TIME o colocou na "Time 100", a lista das 100 pessoas mais influentes do ano.


Brian Lara, é considerado como um dos maiores batedores de todos os tempos. Liderou o ranking de rebatidas de teste em várias ocasiões e detém vários recordes de criquete. Detém o recorde para a maior pontuação individual em um teste innings.

CLUBES DE CRÍQUETE DA ÍNDIA
As equipes mais conhecidas são os Chennai Super Kings; Delhi Daredevils; Kings XI Punjab; Kolkata Knight Riders (o time do Shah Rukh Khan, Juhi Chawla e Jay Mehta); Mumbai Indians; Rajasthan Royals; Sunrisers Hyderabad; Royal Challengers Bangalore.

INDIAN PREMIER LEAGUE (IPL)
É a maior liga local de críquete do mundo, podendo ser comparada à NBA ou aos campeonatos de futebol do mundo, por exemplo. É a liga dos jogos críquete twenty20 (uma forma de jogo). Em seus torneios renomados jogadores de críquete internacionais se reúnem em um único palco. 

É disputada geralmente entre os meses de Abril e Junho. Conta atualmente com 8 equipes participantes, seus maiores vencedores são Mumbai Indians, Kolkata Knight Riders e Chennai Super Kings.


CONSELHO INTERNACIONAL DE CRÍQUETE (ICC - International Cricket Council)
É a instituição internacional responsável pela organização do esporte, seria um FIFA. Ela divide os países membros/participantes em três blocos: os Membros Permanentes, Membros Associados e Membros Afiliados, de acordo com o nível de estrutura do críquete no país. O Brasil se encontra no bloco dos Membros Afiliados e a Índia nos Membros Fundadores, claro.

Este conselho regula os maiores campeonatos internacionais de críquete, como a Copa do Mundo de Críquete, por exemplo, que é disputada a cada quatro anos.


Antes seu nome era Conferência Imperial de Críquete, que promovia o críquete dentro do Império Britânico e de suas colônias, como a Índia, Nova Zelândia e as Índias Ocidentais... depois devido ao aumento de países praticantes do esporte, foi rebatizado para Conferência Internacional de Críquete.


África do Sul, Zimbabwe, Inglaterra, Índias Ocidentais, Paquistão, Índia, Bangladesh, Sri Lanka, Austrália e Nova Zelândia são os países que possuem lugares fixos e cativos nas Copas do Mundo de Críquete organizada pela ICC
.

COPA DO MUNDO DE CRÍQUETE
É o principal torneio de críquete do mundo, sendo o principal evento do calendário internacional de críquete, realizado a cada 4 anos. É o campeonato internacional de One Day International (ODI) uma forma de de jogo de criquete, num jogo de um dia. Para se disputar a Copa do Mundo de Críquete, as seleções precisam disputar as eliminatórias, que levam a uma fase final. Geralmente sempre realizado no início do ano, de preferência nos meses de Fevereiro a Março.

Assim como no futebol os países interessados em sediar a Copa do Mundo de Criquete, apresentam propostas ao Comitê Executivo do Conselho Internacional de Críquete que votam à favor ou não daquela proposta.  Os países que já ganharam para sediar são Inglaterra, Austrália, África do Sul, Índia...
Dentre os campeões, nos últimos anos, a seleção da Austrália tem sido a mais bem sucedida.


Acompanhando ela também entram na lista dos vencedores: India, Sri Lanka, Indias Ocidentais (Caribe) e Paquistão.

MAIS PORQUE OS INDIANOS SÃO DOIDOS POR CRÍQUETE?  

Nem eu consegui entender! Kkkkk mas achei um artigo na internet de um indiano que explica de onde vem essa loucura toda dos indianos para com o Críquete.

Está em inglês, mas colocando no tradutor da pra entender muito bem. O nome dele é Viplav Vishal, aqui está o link: http://www.cricmatez.com/2013/02/06/cricket-and-india-two-love-birds/

AQUI TEM UNS FILMES QUE RELATAM O JOGO NO PAÍS, SÃO  MUITO BONS
Chak De! India; Laagan: Once Upon a Time in India, Dil Bole Hadippa, Patiala House, Iqbal.


IMAGENS RETIRADAS DA INTERNET

Espero que tenham gostado!
Namaskar!




Seguidores

 
2011 Template Gorjuss Slide / Elke di Barros / Templates e Acessórios